25.4.17

convencimento

Como forma de convencimento ou estratégia de embate, a violência física, quando excessiva ou desnecessária, é completamente reprovável. Exceto se for em defesa da Vida, do Amor e do Bem.

24.4.17

folego

DO QUE EU PRECISO

Houve um tempo em que eu precisava de uma casa enorme para guardar tudo aquilo que eu supunha indispensável. Depois, as coisas que me pareciam muito importantes cabiam numa sala pequena. Mais tarde, essas coisas "extremamente importantes" passaram a caber num armário de tamanho médio no quarto do fundo. Bem depois, coloquei tudo aquilo que ainda considerava "muito importante" no porta-malas de um conversível preto — e saí pelo mundo. Andei, rodei, tomei sol e chuva, ar e vento, tomei vinho consagrado, brisas e tormentas, tomei fôlego, amei com a liberdade mais absoluta — e fui me despojando ainda mais. Tanto, que hoje, cheio de amor e pleno de mim, vejo que todas as coisas verdadeiramente importantes cabem dentro de uma calça jeans e de uma camiseta branca de algodão gostoso que agora me descobrem.

22.4.17

passaro surpreso

Há dias em que é preciso que eu te perca inteiramente. É preciso que eu siga o que me pede o coração apaixonado — e o que suplica um novo grande amor aos pés da nova cama. Tua imagem, minha flor, fumaça escandalosa desprendida de si mesma, some em meio à volúpia da minha próxima lembrança. Então, te esqueço — carinhosamente. Mas, de repente, num voo alado de pássaro surpreso, entro em mim pra te buscar. Se te encontro, a busca me alucina intensamente, e se me encanto, ao contrário, é meu verbo que engravida o teu espanto.

20.4.17

ponto de vista

Tudo que eu digo é sempre a partir do meu ponto de vista. Portanto, se eu disser algo com o que você não concorda, não é preciso nem necessário brigar comigo. Brigue apenas com meu ponto de vista.

19.4.17

trapezista

Eu adoro ser um trapezista nesse circo escandaloso em que a vida se transforma. Às vezes estou na corda bamba, às vezes faço papel de palhaço, às vezes rio dos outros palhaços. Tem dias que rio de mim mesmo, e tem dias que enfrento feras e metáforas. Mas vivo sempre lá em cima, trapezista da minha própria existência, bailarino da minha própria esperança. Quase sempre mando que até retirem as redes de proteção para que o risco seja maior que o riso, para que os saltos sejam mais altos e profundos, para que a aventura seja mais emocionante e mais perfeita. E se um dia eu voar de encontro ao chão, isso não terá importância alguma, porque viverei também a emoção da própria queda. Em nome da vertigem toda queda tem poesia. Quem cai por amor à vida, cai sempre para cima.

18.4.17

sapo

Se o teu príncipe por acaso virou sapo, nada de amar o sapo. Procure outro príncipe!

17.4.17

mae atomica

QUEM NÃO AMA A SUA PRÓPRIA MÃE NÃO AMA A SUA PRÓPRIA ORIGEM.

A razão talvez seja porque, de certo modo, foi levado a perder as suas bases amorosas mais diretas. Perdeu sua mais importante referência primordial. Perdeu seu principal elemento fundador das emoções. Deslocou-se, psicologicamente. Desligou-se da Fonte. É grave. Se for o teu caso — espero que não seja — não adianta dar um maravilhoso presente de natal à sua mãe. Não adianta forjar um acordo, não adianta mentir pra Deus. Recomendo terapia. Mas nem sempre a terapia resolve, pois depende muito do estágio a que o distúrbio chegou. E quando eu falo em terapia quero dizer psicanálise. Remédios químicos só atacam os efeitos, só mascaram soluções...



Não adianta procurar sobre isso na internet ou nos livros de psicologia: é uma teoria arriscada, ousada, mas exclusivamente minha. Só tem no livro Manual da Separação. Esta teoria é cientificamente fundamentada em Freud (que deve ter se baseado em Nietzsche, etc.). Bom ressaltar que eu aqui não me refiro a eventuais castigos de Deus ou bobagens do gênero. É só o inconsciente fazendo estragos. Ou corrigindo as coisas...

16.4.17

domingo de mae

Certas teorias da Física são fantásticas. Por exemplo: Quanto maior for um Buraco Negro, menor ele tem que ser. E para que fique gigantesco, tem que se tornar minúsculo. Eis uma contradição aparente, pois, neste caso — como em muitos outros — o texto não explica o contexto. A teoria dos buracos negros segue, rigorosamente, uma das leis da Física, e as relações entre texto e contexto devem ser analisadas no campo da Linguística. Ainda não sei aonde quero chegar quando escrevo sobre isso nesta ensolarada manhã de domingo. Talvez eu tente fazer uma analogia com as declarações de amor. Com as sentenças formais declaratórias de um sentimento chamado amor. Acontece que já são 11h34, e eu quero agora ouvir as deliciosas badaladas da minha sina. Logo depois vou falar com minha Mãe, como faço todos os domingos.

15.4.17

solidao

Para que seja uma delícia — a Solidão tem que ser alimentada com Amor e Alegria.

14.4.17

o coracao do teu amor

O coração do teu amor tem que ser livre, para que nele pulse o sangue do imaginário e da fantasia. O coração do teu amor em que ser livre, para que nele difundam-se as cores e as delícias da paixão descontrolada. O coração do teu amor tem que ser livre, porque, senão, estrangula-se o Amor, estraçalha-se a Beleza, e morre o Espontâneo. E desaparece então qualquer possibilidade de Prazer. O coração do teu Amor tem que ser livre — simplesmente.

13.4.17

hoje

Nessa minha busca, nessa minha incansável e eterna busca de caminhos, eu acabo às vezes me afastando de você. E esse espaço, essa distância — esse vazio — é como uma navalha cortando a emoção... A emoção não deve ser cortada, eu sei. Mas, que se há de fazer? Eu quero apenas abraçar a metade do infinito.

Acontece que essa busca incansável de caminhos é uma das mais nobres e louváveis tentativas de aprimoramento pessoal. Significa refinar, cada vez mais, meu sentimento de amor-próprio. O contrário disso chama-se acomodação. Ou, até mesmo, desleixo. Talvez covardia...

12.4.17

emocao sem controle

A emoção sem controle é um defeito neuro-químico de quem está em vias de sofrer uma derrota.

11.4.17

salmo 77

Hoje minha mãe ligou-me de manhã só pra me dizer: "Pegue a Bíblia e leia o Salmo 77. Lá diz que às vezes temos que ralhar com Deus..." Fazê-lo encostar seus ouvidos em nossa boca para que ouça bem o que temos a lhe dizer. Quando o Velho se faz de surdo, temos que levantar a Voz. Quando Deus dorme, temos que sacudi-lo e acordá-lo, respeitosamente.

Mas — eu pergunto — e se Ele estiver sonhando?

10.4.17

9.4.17

amores desbrilhantes

Hoje todos os meus amores são brilhantes. Mas nem sempre foi assim. Vou te contar sobre um deles, que aliás foi até bastante opaco. Márcia era uma ciumenta infeliz — que me perdoem a redundância. Embora formada em Letras, a sonsa não lia nem bula de remédio. Fiquei um ano e meio ao lado dela, tentando descobrir o extraordinário no comum. Ou seja, fiquei quase um ano e meio desperdiçando minha vida. Naquele tempo eu ainda supunha ser possível encontrar Amor onde não existe Liberdade. Iludi-me procurando algum tipo de fascínio no convencional. Eu tinha a inglória esperança de um dia transformar o medíocre em supremo...

Não consegui.



Eis a página do meu livro Manual da Separação, onde conto parte dessa relação "de amor"...

Sabe por que o carro de boi se chama carro de boi? É porque touro não aceita canga. Quem quer um animal para puxar o seu carro, deve procurar um boi. Aliás, seria uma enorme perda de energia pretender colocar um touro a puxar carro de boi. Seria contraditório. Mas eu tinha uma namorada paranaense que não pensava bem assim. Um dia, estávamos na fazenda do pai dela em Londrina, eu lhe fiz a seguinte pergunta:
— Você acha melhor que eu seja um touro indomável, correndo livre pelos campos da vida, ou prefere ao teu lado um boi manso, amarrado no pasto, comendo capim?
Ela olhou-me de alto a baixo, séria, parecendo avaliar os meus pedaços, e então, num gesto possessivo, indelicado, respondeu-me:
— Prefiro um boi manso, amarrado no pasto, comendo capim, desde que seja meu...

Senti-me retalhado, todo transformado em picanhas num balcão de açougue, num altar de sacrifícios. Naquele momento, minha vida estava em jogo. E só me restou dizer adeus.

Porque, para mim, é impossível ser feliz sem liberdade.

Sei que você sabe disso. E sei também que, no fundo no fundo, você — meu amor atual — você me quer livre como sou: um touro indomável, correndo delicioso pelos prados da vida.
Lembre-se: Se me pressionar — desapareço!
E não como capim, nem amarrado...

8.4.17

relampagos penetram

Relâmpagos penetram insistentemente pela janela. Há um brilho encantado nos olhos do meu Amor, e o entusiasmo do fogo se acende a si mesmo nesta noite escandalosa. Ela suspira, respira, coleia, ronrona, e se ergue surpresa, feito naja indiana ao som de um flautim. Abraçados na cama perplexa, forrada de risco e de azul, nos esquecemos do mundo e do tempo. Meus dedos delicados perambulam por seus lábios inocentes, vasculham seus macios pelos negros — e se detêm no topo da pequena montanha...

O coração do mistério profundo precisa de Espírito e fôlego. Mas existe ainda um Everest de razões absolutas para que eu retome o caminho lúbrico em direção a Deus.

Ela diz que vai ficar louca se eu não parar os meus toques.
Não paro.
Ela fica.

5.4.17

brilho de relampago

Eu gosto de dizer que as paixões devem ter o brilho de um relâmpago — e a mesma duração. Relâmpagos não ficam acesos para sempre. Você vive um, e em seguida risca outro! Mas, não se preocupe: ninguém é obrigado a amar o risco e ser brilhante todo dia. Se você prefere ter uma relação estável, solene, contida, morna, segura — tudo bem, é um direito seu. A incompetência não é crime. Ninguém é preso por ser medíocre. Portanto, se você precisa mesmo dessa luz "eterna", meio duradoura e finalmente mortiça, vá em frente: agarre a vítima pelo pescoço e acenda uma velazinha trêmula ali no canto da sala. E não deixe entrar muito vento na relação...

4.4.17

amigos amores

Todos os meus amigos são grandes amigos: eu não tenho pequenos amigos. Todos os meus amores são grandes amores: eu não tenho pequenos amores. Porque, se fosse para tê-los pequenos — melhor seria tê-los nenhum.

2.4.17

2017

Este é o melhor ano da minha vida. Mas não aconteceu por acaso. Foi preciso eu tomar uma atitude radical. Foi preciso dar um pontapé nas circunstâncias opressoras que teimavam em prender-me. Foi preciso ser preciso. Foi preciso saltar profundo. E eu saltei. E acabo de me lembrando de um poema que escrevi no Manual da Separação. Está na página 192. É este:

Se não for agora, quando?

Tem hora de parar — e tem hora de partir,
tem hora de permanecer quieto e calado num canto,
e tem hora de cantar e de voar.
Agora,
agora não é hora de dobrar as asas,
nem de calar a voz,
nem de catar gravetos para fazer o ninho.
Agora não é hora de sentir remorsos,
nem de buscar consolo, nem de caiar o túmulo.

Agora que estou na beirada,
bêbado de alegria — pronto para o salto,
não me segure em nome de nada.
Não queira impedir-me dizendo que é muito cedo,
ou que é muito tarde,
ou que está escuro, é perigoso, muito alto,
muito fundo, muito longe...

Não!

Se você não puder incentivar-me para o salto,
ou até mesmo empurrar-me com amor em direção à Vida,
não me prenda, não me amarre.
Não envenene com teu medo a minha dança.
Seja só uma testemunha silenciosa desta vertigem.
Porque agora,
agora é hora de voar.
Agora é hora de abrir-me a todas as possibilidades.

E voar um voo livre e sem destino para dentro de mim mesmo!

1.4.17

cama de casal

Deus inventou a cama de casal para ser um local sagrado em que se faz amor. Mas as pessoas normais usam essa coisa só para dormir roncando. Por isso é que Deus castiga.

31.3.17

31 de marco

Nenhuma ditadura é mais forte que um poema de amor. Então Eros me abre os olhos de novo e vejo, sorrindo ao meu lado, essa menina por quem ontem me apaixonei à luz da lua cheia — e que será, por uns tempos, meu mais recente amor eterno. E me esqueço completamente que hoje é dia 31 de março, data em que se "comemora" um golpe militar que jogou o Brasil nas trevas! Mas é bom não esquecer que a Ditadura só caiu depois da eleição indireta de Tancredo Neves em 19 de janeiro de 1985. Portanto, foram 21 anos de ditadura. Horrorosa ditadura militar... E só tivemos eleições (não muito) livres em 1989! A ditadura foi a Idade Média do Brasil. Havia censura à imprensa. Livros eram queimados. Havia tortura, prisão e medo. A Cultura entrou em recesso. Era a lei da baioneta. Pensar diferente era proibido. Se já houvesse internet aquele tempo, por um blog como este eu provavelmente seria preso e torturado...

30.3.17

picada na floresta

Eu abro picadas na floresta e me dou bem. Encontro clareiras belas e brilhantes. Eu adoro abrir picadas na floresta. Esta é a minha função preferida. Mas você tem que abrir a sua. Experiências não se transmitem. Não queira seguir esta que eu abri, nem siga, muito menos, aquela outra, de terra batida e chata, que os normais dizem ser a única. Há milhares — e cada um tem que abrir a sua própria. Eu posso apenas te emprestar a foice. E até te ajudar a afiá-la de vez em quando...

Mas o resto é com você!

29.3.17

possivel

O fato de você ainda não ter conseguido não significa que seja impossível.

28.3.17

Todo casamento tem sua lógica — que é a mesma lógica de um campo de concentração. Mas com uma diferença fundamental: No campo de concentração o inimigo não dizia que nos amava...

26.3.17

fugaz

Grandes paixões sempre duram pouco. A natureza da paixão é ser fugaz e passageira. Ninguém suportaria viver aventuras diferentes todo dia, fascinantes e grandiosas — por muito tempo — com a mesma pessoa... Seria a banalização da gostosura.

24.3.17

reparto tudo

Reparto tudo: reparto o beijo, o abraço, a lua, o chocolate, o pão e o queijo; reparto o amor e o vinho, as flores e as estrelas. Reparto e compartilho. Tudo. Às vezes, simultaneamente... Reparto, com muito mais ênfase ainda, a felicidade, a alegria e o prazer. Porque essa coisa de relação fechada possessiva é lamentável. É uma coisa que eu suponho ultrapassada — pelo menos nas sociedades mais desenvolvidas. Ou, melhor, naquela parte culturalmente mais desenvolvida das sociedades. Essa coisa (ciúme, posse, etc.) na verdade é um horroroso "negócio": Aquilo que nega o ócio. Nega o prazer, e nega o amor. Nega a liberdade.
Portanto, se você não encontrar razões para ser livre, invente-as.
E viva a Vida.
Ou não.

23.3.17

quando o bom faz mal

Um grande amor ou um bom emprego acabam complicando muito a vida de quem os consegue logo no início. Porque você vai ficar se agarrando a eles pro resto da vida — e perde a chance de conseguir outros iguais, ou até melhores. Perde a chance de vivenciar outras experiências, provavelmente maravilhosas. Mas, o que é pior: essa aparente estabilidade inicial te enche de medo. Medo de perder. Medo de não ser capaz de crescer, nem de superar uma perda. Então, só te resta encolher-se no teu próprio coração medroso e bobo, abraçado a um bom salário — ou deitadinho no colo desse amor minguante...

tudo se resolve

A seu tempo, tudo se resolve.

21.3.17

felicidade

Para os filósofos cínicos, a felicidade não é algo passageiro: uma vez alcançada, nunca mais a perdemos. A princípio, parece um absurdo, mas é uma teoria bastante sustentável. Digo isso, e concordo plenamente, porque aconteceu comigo! Sou a prova viva de que isso é possível. Meu conceito de felicidade — já por mim alcançada — é ser bem-aventurado. É ter um corpo saudável, completo domínio dos estados de espírito, e liberdade total. Muita alegria, bom humor inabalável e gostosura transbordante, além de amores infinitos. Ausência de pressa, de ciúmes e de ódio, ausência de medo, inveja e vergonha. E completa ausência de apego. Basicamente isso.

Estou escrevendo algo mais a respeito, que vou publicar no meu livro Sermão da Cordilheira.

19.3.17

alcachofra

Tenho uma amiga imaginária cujos dois filhos de quase dez anos podem fazer xixi à vontade. Podem ter fome, raiva, medo e desespero. Podem ter coragem, sono e diarreia. Dor de cabeça, alegria, cócega e cansaço. Parece que podem ter de tudo, esses meninos. EXCETO TESÃO. Aliás, segundo ela, masturbação é uma doença — que precisa de tratamento psiquiátrico — e da qual os seres humanos devem ser rigorosamente afastados...

Então eu pergunto: como pode a amiga de um poeta libertário ter neurônios muçulmanos? Como pode a amiga de um poeta ter a sensibilidade de uma alcachofra?

17.3.17

16.3.17

it s just me

Ontem, no trânsito, dirigindo na avenida da praia, tive um insight: aquele "idiota" que ocupava o meu corpo não era Eu: era um "outro", que ali estava a caminho do trabalho alienado — numa desesperada pausa da própria vida. Estava indo vender o meu tempo para uma pessoa que possui uma estupidez monumental. Falar de negócios com alguém que nunca deve ter lido um poema de amor é um horror. Uma coisa que eu às vezes preciso suportar. Porém, logo mais, à noite, eu voltaria a ser Eu — e viveria como mereço e posso. Encheria uma taça com gelo picado e Absinto, colocaria talvez Jon Bon Jovi a dizer-me It's Just Me, chamaria os meus amores, um por um, e depois entraria delicadamente no Oceano Atlântico. E ficaria olhando a nova lua nova por toda a eternidade...

15.3.17

deus canhoto

Embora a gente saiba que o mundo não tem lado de dentro nem lado de fora, nem esquerda nem direita, nem parte de cima ou parte de baixo — eu hoje descobri algo muito interessante. Considerando a dança espiralada das galáxias, a frenética explosão das supernovas e a forma encantadora com que Deus criou a maçã; considerando o espírito de Einstein contido nos átomos que fazem o meu próprio coração; considerando a gargalhada amorosíssima que minha Mãe ontem me deu por telefone ao meio-dia; considerando tudo isso e olhando o mundo daqui onde estou, da perspectiva de um pezinho de lírio branco e ouvindo pássaros — eu descobri que Deus é canhoto. Vejam que coisa mais impressionante!

14.3.17

otimista racional

A produção de bons resultados não depende da esperança, mas sim de planejamento. Acreditar num sistema racional que se monta visando uma determinada conquista vai além da crença passiva de que as coisas aconteçam por acaso. Sou otimista porque creio na qualidade do meu pensamento. Creio na capacidade que tenho de analisar circunstâncias e, a partir delas, concluir com ciência e lógica. Ciência, lógica e amor. Ciência, lógica, amor e liberdade. Meu histórico é glorioso nesse aspecto. Claro que às vezes mergulho, mas sempre volto aqui, à tona. É onde enxugo as minhas asas para voar, de novo, ao Pico.

Todo salto profundo é pra cima.

13.3.17

todos os caminhos

Todos os caminhos levam a Roma, sim. Mas alguns são muito mais gostosos do que outros.

12.3.17

soul um poeta

Eu não nasci para satisfazer as expectativas de ninguém. Nem mesmo as minhas — que aliás nem tenho. Sou apenas um poeta, meio louco, totalmente livre, amoroso e sensual. Gosto de viver abraçado às coisas alegres dançantes do mundo... Tudo sem pressa e sem pressões. Tomando sol e vinho branco ao lado de dentro dos meus amores. Parece pouco — mas é tudo. Afinal, eu sou assim. E não quero ser mais do que soul...

11.3.17

tv

A tv é hoje a maior mantenedora de casamentos do Brasil. Se as pessoas não ligassem tanto a tv, acabariam conversando. E teriam que discutir aquelas questões realmente importantes de suas vidas, mas que, por comodismo e falta de coragem, estão suspensas. Pois, se as discutissem — se separariam, provavelmente. Ou se matariam...