Mude

Mude

Mas comece devagar,
porque a direção é mais importante
que a velocidade.

Sente-se em outra cadeira,
no outro lado da mesa.
Mais tarde, mude de mesa.
Quando sair,
procure andar pelo outro lado da rua.
Depois, mude de caminho,
ande por outras ruas,
calmamente,
observando com atenção
os lugares por onde você passa.
Tome outros ônibus.
Mude por uns tempos o estilo das roupas.
Dê os teus sapatos velhos.
Procure andar descalço alguns dias.
Tire uma tarde inteira
para passear livremente na praia,
ou no parque,
e ouvir o canto dos passarinhos.

Veja o mundo de outras perspectivas.

Abra e feche as gavetas
e portas com a mão esquerda.
Durma no outro lado da cama.
Depois, procure dormir em outras camas.
Assista a outros programas de tv,
compre outros jornais,
leia outros livros,
Viva outros romances!

Não faça do hábito um estilo de vida.
Ame a novidade.
Durma mais tarde.
Durma mais cedo.
Aprenda uma palavra nova por dia
numa outra língua.
Corrija a postura.
Coma um pouco menos,
escolha comidas diferentes,
novos temperos, novas cores,
novas delícias.
Tente o novo todo dia.O novo lado,
o novo método,
o novo sabor,
o novo jeito,
o novo prazer,
o novo amor.

A nova vida.
Tente.
Busque novos amigos.
Tente novos amores.
Faça novas relações.
Almoce em outros locais,
vá a outros restaurantes,
tome outro tipo de bebida
compre pão em outra padaria.
Almoce mais cedo,
jante mais tarde, ou vice-versa.
Escolha outro mercado,
outra marca de sabonete,
outro creme dental.
Tome banho em novos horários.
Use canetas de outras cores.
Vá passear em outros lugares.
Ame muito,
cada vez mais,
de modos diferentes.

Troque de bolsa,
de carteira,
de malas.
Troque de carro.
Compre novos óculos,
escreva outras poesias.
Jogue os velhos relógios,
quebre delicadamente
esses horrorosos despertadores.
Abra conta em outro banco.
Vá a outros cinemas,
outros cabeleireiros,
outros teatros,
visite novos museus.
Mude.
Lembre-se de que a Vida é uma só.
Arrume um outro emprego,
uma nova ocupação,
um trabalho mais light,
mais prazeroso,
mais digno,
mais humano.

Se você não encontrar razões para ser livre,
invente-as.


Seja criativo.

E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa,
longa, se possível sem destino.
Experimente coisas novas.
Troque novamente.
Mude, de novo.
Experimente outra vez.
Você certamente conhecerá coisas melhores
e coisas piores,
mas não é isso o que importa.
O mais importante é a mudança,
o movimento,
o dinamismo,
a energia.

Só o que está morto não muda!
Edson Marques.



Fundação Biblioteca Nacional do Ministério da Cultura
Poema MUDE - Registro: 294.507 - Livro: 534 - Folha: 167






Eis o Comercial da Fiat - veiculado na Globo, SBT, etc.

Veja aqui o espantoso caso em que o filho de Clarice Lispector,
irresponsavelmente,
com base em erro de citação de autoria na internet,
E recusa-se a devolver o dinheiro.
Primeiro vídeo Mude - com música de Tom Petty
Dê um click acima e veja no Youtube.


24 comentários:

Mari Bastos disse...

Que honra a minha encontrar o seu blog e descobrir seus poemas e textos, mesmo que por caminhos tortuosos, milhões de perdões, mas sim, só não lembro onde encontrei dizia que o poema era de Clarice, veja o que uma informação errada pode fazer, deve ser a tal da velocidade e claro, que agora, recordo de Pedro Bial recitando seu lindo poema, parabéns pelo seu talento e por dividí-lo com os outros, você tem mais uma fã!
Abs, Mari Bastos

Anônimo disse...

A dez, doze anos atrás li esse poema. Procurando-o novamente para passar a um amigo vi que no seu texto não tem a frase " A salvação é pelo risco, sem a qual a vida não vale a pena", que estava na cartinha de uma amiga que recebi lá no passado quando li o texto pela primeira vez. Puxa, isso é tão interessante...mas é de quem? Vem de onde?

Jeni Viana disse...

Vim dizer que consertei a autoria do teu poema lá no blog.
docesabordoslivros.blogspot.com

Paulo Junior disse...

Seu poema é maravilhoso, e pedir desculpa por ter postado no meu blog: www.nossos-versos.blogspot.com.br , sem saber a autoria , dentro de alguns momentos irei alterar a autoria, desculpe......

Dêzinha disse...

Olá!

Desculpe pelo erro, já corrigi a informação no blog, aproveitei para divulgar o seu blog, que gostei muito. Parabéns!!!

Em relação ao local de onde tirei a informação referente ao autor, foi de uma comunidade do facebook, Viva e Deixe Viver, caso queira conhecer o link é esse: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=298089746958057&set=a.125214847578882.16018.124861890947511&type=1&theater

Obrigada pela sua atenção e desculpe o transtorno!

Iêda Klein disse...

Gostei muito de encontrar o seu blog Obrigada pala presença no meu.Serei leitora assídua, pode ter certeza.
Iêda

Miria Araujo disse...

Bom Dia Edson, em momento algum citei em meu blog a autoria deste poema porque nem eu mesma sabia de quem era(rsrs..);
Na verdade li no mural de uma amiga no facebook e resolvi compartilhar também no meu blog. Mas vou agora mesmo dar os devidos créditos a ti ok!!
Bjos da mimi:-)

Fofocando entre amigas disse...

Olá Edson,Vou arrumar esse erro agora mesmo,e dar créditos ao devido autor, não me recordo de qual site tirei,mas em muitos dizem que é da autoria de Clarice Lispector,abraço

Gabriela disse...

Contesto: "Só o que está morto não muda!"
O que está morto, nutri o que está por vir!!!

Gardenia disse...

Edson,

Realmente fiquei surpresa e demorei a ver o seu comentário, pois fiquei sem olhar meus emails por vários dias.
Em primeiro lugar, quero pedir desculpas por ter publicado o poema, embora eu não soubesse que era de sua autoria, inclusive, constam em vários sites e blogs como sendo da Clarice Lispector.
Quem me enviou o texto foi uma amiga e depois pesquisei no google com as palavras "MUNDANÇA CLARICE LISPECTOR" e verifiquei que tinham em alguns blogs e sites, como por exemplo http://claricelispectorclarice.blogspot.com.br/, por esse motivo o publiquei, mas esclareço que estarei corrigindo.
Eu gostaria de dizer que o texto é muito bonito. Continue a escrever e nos brindar com vários outros poemas e textos.
Atenciosamente,

Gardênia Coelho

Psicóloga Evandra Lídia disse...

Boa tarde Edson,

peço desculpas pelo meu erro e quero dize que já ratifiquei o mesmo no meu blog. Se você pesquisar no google, como eu fiz quando estava a procura de um poema que falasse sobre Mudança, vai verificar que a maioria dos poemas está com autoria de outra pessoa e nao da sua autoria. Mais uma vez peço desculpas pelo erro. Gostei muito do seu blog e espero que possamos sempre trocar informações.
Abraços mil pra você!
Evandra

Naah disse...

Olá Edson, a postagem foi ratificada e os créditos dados a quem é de direito. Obrigada por avisar.

diego guerra disse...

MUI BUENO ESTE BLOG TE FELICITO

Anônimo disse...

Já lí inúmeras vezes em diferentes momentos de minha vida e este poema continua exercendo o mesmo encantamento em mim. Que dom Deus lhe deu!

Ângela C.R. Gonçalves disse...

Edson Marques sou muito grata por tanta inspiração, intuição e beleza neste teu poema. As mudanças são necessárias para evoluirmos , mas muitas coisas em nós ainda resiste por estarmos anestesiados no conformismo. Mudar é preciso para sermos felizes
PS: Fiz as alterações na autoria do poema que é SEU de Corpo e alma.
Abraços e seja feliz!

Martim Ermelinda disse...

Lembro-me de uma professora com mestrado em Literatura atribuir este poema à Clarice Lispector. Na ocasião outro professor corrigiu-a prontamente. Enfim, é preciso ter certeza de certas coisas para evitarmos situações como essa.

Tania disse...

Já sabia que "Mude" não era autoria de Clarice Lispector, mas não sabia que é seu!!!

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Repudio plágio e párabenizo, não só pela vitória no processo, como também na criação literária.

Anônimo disse...

Cara, que história mal contada! onde é que você colocou a frase "A salvação é pelo risco, sem a qual a vida não vale a pena"? Parece estranho que ainda hoje, dez anos depois do registro do seu poema, tanta gente faça referência à esse texto como sendo da Clarice Lispector... muito estranho.

Anônimo disse...

E por que o filho da Clarice Lispector venderia os direitos de um poema que não é dela? O respeito à mãe e à obra dela foi a venda também?? Acho improvável.

Anônimo disse...

Estranho mesmo! Onde posso consultar esse registro de autoria?

Edson Marques disse...


Não tenho como responder diretamente a um leitor "Anônimo". Entretanto, tudo está explicado no site www.Desafiat.com.br

A frase "A salvação é pelo risco, sem a qual a vida não vale a pena" não é do meu poema, nem foi escrita por mim. Não sei de quem é.

Quanto ao Registro na Biblioteca Nacional do Ministério da Cultura, veja imagem logo acima. É de agosto de 2003.

Ah! Acabo de ganhar ação judicial em segunda instância,por conta desse "erro desonesto" do filho de Clarice. E ganhei muito mais do que os quarenta mil dólares que esse safado recebeu em meu lugar...rs!


Abraços!

Jana Prado disse...

Muito bom!

Fernando Oliveira disse...

O poema fala da vida, do dia a dia... Sua contestação distorce o sentido do poema.