9.4.11

paulo coelho


PAULO COELHO E OS PLÁGIOS QUE COMETEU EM VÁRIAS PUBLICAÇÕES DO POEMA MUDE




Se isso não for PLÁGIO, temos que redefinir esse conceito...

Esta frase é minha!

Significa que as 26.000 pessoas que curtiram e as 1780 que comentaram foram iludidas,
e precisam ser informadas da verdade: essa frase não é de Paulo Coelho!

Isso sem contarmos os milhões que leram sem se manifestar!


E no Twitter em português, ele alterou um pouquinho a minha frase:
Mude, mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade.

Alterou sem minha autorização: não gostei.
E "esqueceu" de citar o autor... rs!
Mas esse é um "detalhe" que ele terá que resolver urgentemente.


UMA RESSALVA:

Eu sempre defendi Paulo Coelho. Primeiro, como compositor (junto com Raul Seixas), e depois, como escritor. Mesmo nos meios acadêmicos e literários, onde ele nunca foi bem-visto (nem benquisto), a minha voz era (e ainda é e acho que será sempre) uma voz discordante. Eu o considero, num certo sentido, o maior escritor brasileiro. Gosto de Machado, de Clarice, Guimarães Rosa, etc. Sabemos que Paulo não tem um grande domínio formal da língua portuguesa. Nem eu tenho. Estamos muito aquém de Fernando Pessoa ou de Eça de Queiroz, por exemplo. Mas Paulo Coelho, sem dúvida, é um grande escritor (do ponto de vista do mercado). Pois ele tem uma extraordinária capacidade de "enfeitiçar" os leitores. Tem um estilo que considero muito interessante (embora cometa plágios aos montes). Tem uma biografia encantadora. Foi maluco... viajou muito, arriscou tudo, saltou profundo. Como escritor, merece o meu respeito.

Repito: eu sempre defendi Paulo Coelho. Mas, no caso do poema Mude, Paulo Coelho não está sendo muito honesto comigo. Mesmo já sabendo que sou eu o autor do poema Mude, tem publicado esse poema em vários jornais do Brasil, sempre dizendo ter "esperança de encontrar o verdadeiro autor" (sic). Mais grave é o caso da minha frase em inglês [Change. But start slowly, because direction is more important than speed], que ele publicou no Twitter e no Facebook, onde esqueceu-se de citar o autor — dando a falsa impressão de que é dele. No Twitter em português, Paulo Coelho modificou um pouquinho a minha frase — mas o resultado ficou quase igual (vide acima). Reclamei, e ele parece não ter gostado: mandou-me cinco mensagens pelo Twitter, meio indignado. Não gostou da forma como eu reclamei. Mas, pergunto, sinceramente: eu deveria me calar, simplesmente? Isto não é plágio?!

Aguardo que ele tome providências e cite o meu nome como autor, em todas as publicações, especialmente no Twitter e Facebook — republicando-as com o mesmo destaque.

O caso do Mude é um pouco mais grave. Ele tem publicado esse meu poema com o título alterado para "Mudança", e com MUITAS (e desautorizadas) modificações no texto. Eu não autorizei ninguém (nem o Paulo Coelho) a mexer no meu poema Mude.


Resumindo:


1. Paulo Coelho publicou os versos iniciais do Mude em inglês no Twitter
2. Também no Twitter em português, alterando o original.
3. Idem no Facebook em inglês, tudo sem citar o autor.
4. Já havia publicado em português no seu blog Guerreiro da Luz em 2003.
5. Também no blog em inglês Warrior of the Light, alterando o original.
6. Em sua coluna no Diário de Pernambuco em 28.02.2011
7. No jornal O Estado do Paraná - em 20-02-2011.
8. Em sua coluna no site 40Graus.com.br
9. Na Gazeta Digital de Cuiabá em 22.03.2011
10. No jornal A Tribuna de Santos - AT Revista - em 27.03.2011
11. E em sua coluna no Diário do Nordeste - também em 27.03.2011
12. Na Rede Bom dia - em 11.04.2011
13. No Jornal de Santa Catarina - em 09.04.2011
14. No ParanáOnLine - em 27.05.2003 - sim, há QUASE OITO ANOS!!!
Aqui no ParanaOnline o próprio jornal fez, no fim do texto, uma citação correta de autoria.

15. Depois disso minha frase já é de Paulo Coelho em muitos sites e blogs mundo afora.
16. Em alguns blogs, o poema Mude inteiro também já é "de Paulo Coelho" (sic)...
17. Espalha-se a notícia de que Paulo é autor do Mude... rs!
18. No tumblr virou febre - tudo como se fosse de Paulo Coelho!
19. Até na Palestina!
20. Hungria.
21. Coreia..
etc.

No Twitter e no Facebook ele simplesmente assina, como se a frase fosse dele. Nos demais casos (blogs, jornais e revista) ele publica o poema todo (alterado, sem minha autorização, repito), e embora não cite o autor, diz ter "esperança de encontrar o verdadeiro autor". Já lhe mandei muitos e-mails (desde 2004) dizendo que sou o autor, mas ele e sua equipe ainda não se mostraram muito interessados em fazer as devidas correções. Até que, recentemente, pelo Twitter, ele falou comigo, conforme descrevi logo acima. Mas, como já disse, não tomou providências. Aliás, pelo contrário: fez mais meia dúzia de publicações idênticas em vários outros jornais!



Finalizo com uma pergunta séria e irônica:

Se é verdade que Paulo Coelho, desde 2003, tem interesse em conhecer o verdadeiro autor do poema Mude, será que nunca soube da existência e das funções do Google?


Paulo continua publicando o Mude (sem citar o autor), mesmo após nossos contatos por e-mail: O Girassol - Na coluna dele, dos dias 04 e 11 de maio no mesmo jornal.


Por que será que Paulo Coelho continua publicando esse texto?





De tanto que ele insiste, o poema Mude, na net, já começa a ser "dele" também. Veja:


Eis link de um dos blogs irresponsáveis que replicam acriticamente o texto, sem checar as fontes.






Apesar de eu já ter dito a Paulo Coelho, várias vezes, que não autorizo e não quero que ele publique meu poema Mude em suas colunas, ele não se emenda. Continua, insistente, publicando. Desta vez, publicou meu poema em sua coluna no jornal Clarin, da Argentina, sem sequer citar o título. Suplemento Vida, edição de 29 de maio 2011:



Sem citar o autor. E ainda me chama de "un autor sin nombre"...


Nessa publicação no Clarin, ele diz que o poema Mude é um texto "anônimo, porém conhecido". Paulo Coelho chega até a fazer-me um elogio, ainda que de forma indireta: "Um autor sem nome [que] enumera as transformações possíveis e desejáveis. Desde as minimalistas até as essenciais — que nos levam a ser quem somos." Também diz que eu posso ter escrito esse poema "num momento de inspiração, único e irrepetível" — mas suficiente para deixar nele a minha marca. Pena que não cita o autor, apesar de já saber que sou eu.


Mas o pior é que Paulo Coelho mexeu no meu poema. Adulterou o texto. Mudou a frase final, além de adulterar muitas outras partes também. Portou-se com deselegância, ou até mesmo com falta de ética. Falta de inspiração, talvez. Estou publicando logo abaixo essas "mudanças" que ele — sem minha autorização — fez no meu poema Mude. E eu digo, em princípio, que foi ele o autor de tais adulterações, posto que no Google só Paulo Coelho publica o texto nesse formato. Ninguém mais. Entretanto, se ele negar ser o autor de tal crime, terá que citar suas fontes. Exigirei isso por via judicial. Depois de quase oito anos tentando, em vão, resolver essa questão de forma amigavel, não me resta alternativa.


É uma vergonha!


Veja como Paulo Coelho adulterou meu poema, sem minha autorização:

Alterou o título imperativo: de Mude para Mudança.

Suprimiu "o novo amor, a nova vida" — e acrescentou "a nova posição".

Logo após eu ter dito: "Ame muito, cada vez mais, de modos diferentes", Paulo Coelho (ou alguém em seu nome) acrescentou uma frase estranha: "Mesmo achando que a outra pessoa pode ficar assustada, sugira o que sempre sonhou fazer, na hora do sexo." Essa frase eu jamais colocaria nesse poema, pois, quando eu o escrevi, imaginei que seria lido também por crianças. Nesse caso, falar de sexo é uma estultice!

Quando eu disse: procure andar descalço alguns dias, ele acrescentou "— nem que seja em casa". (Eu jamais ressalvaria essa normalidade!)

Quando, jogando com as palavras, escrevi "leia outros livros, viva outros romances", ele acrescentou uma besteira: "— nem que seja em sua imaginação". Aqui ele parece querer "guiar" o leitor, como se este fosse incapaz de fazer ilações...

Quando eu digo "Tire uma tarde inteira para (...) ouvir o canto dos passarinhos", ele acrescenta "ou o ruído dos carros". Eu jamais diria isso! Tirar uma tarde inteira para ouvir ruido dos carros?! Que horror!

Ele suprimiu estes versos:
Não faça do hábito um estilo de vida.
Ame a novidade.


Suprimiu também estes:
Tente.
Busque novos amigos.
Tente novos amores.
Faça novas relações.


Suprimiu isto:
Jogue os velhos relógios,
quebre delicadamente
esses horrorosos despertadores.


Suprimiu também esta frase que é muito significativa para o tema do poema:
Lembre-se de que a vida é uma só.

Também retirou este verso, que eu, como autor, considero fundamental:
Veja o mundo de outras perspectivas.

Além disso, mudou alguns outros versos de lugar, mexeu em outras coisas, acrescentou palavras, suprimiu outras tantas. Intrometeu-se!

E ainda acrescentou "e você está vivo" no último verso.
Ou seja, tirou o impacto que eu pretendi no final: Só o que está morto não muda!



Só me resta perguntar: — Com ordem de quem, Sr. Paulo Coelho?


Se, por acaso, não foi Paulo Coelho o autor de tais adulterações, terá que provar que não. E apontar quem foi — ou citar suas fontes. Pois ele é o único que publica esta "versão" do poema Mude na internet e em suas colunas em jornais e revistas (no Brasil e no exterior) — além de já tê-la publicado em seu blog e no próprio site, desde 2003!


Esta frase "Change.But start slowly, because direction is more important than speed" — que ele, plagiando-me, publicou como dele, é também um caso grave. Se dermos um Google nela, veremos milhares de citações, todas dando Paulo Coelho como autor. Pergunto: como agora corrigiremos isto?


Veja aqui o original do poema Mude, conforme publicado pela Pandabooks, e interpretado por Simone Spoladore no CD Filtro Solar, de Pedro Bial.

9 comentários:

Edson Marques disse...

Ao ser notificado, Paulo Coelho respondeu-se pelo Twitter, mas depois se calou. Recusa-se a assumir que me plagiou. Se esse "mago" continuar se esquivando, terei que mover ação judicial contra ele. Antes que o seu crime prescreva.

Dando um novo link em 29.06.2012:
http://mude.blogspot.com.br/2012/06/ainda-paulo-coelho.html

Robson Santos disse...

Caríssimo Edson Marques,
Você está sendo muito polido ao ressaltar as qualidades de escritor do falso mago Paulo Coelho.
Plagiar é a seara dele, mesmo nos tempos de parceria com o grande Raul Seixas, quando transpôs para o português muitas canções do idioma inglês, sem jamais creditar os autores ou intérpretes que lhes deram vida. Recuso-me a acreditar ter partido de Raulzito o plágio descarado de "Eu nasci há dez mil anos atrás", música maravilhosamente interpretada pelo Rei Elvis Presley, do qual Raul era fã confesso. Digo-lhe que eu, na condição de fã, tudo faço para divulgar o nome do artista preferido, pois é uma forma de prestar tributo e manter a sua memória sempre viva.
Voltando ao Paulo Coelho, sempre achei seus trabalhos literários uma cópia rasteira dos clássicos árabes, quando muito uma miscelânea mal costurada do pensamento oriental e cristão, o que para mim era uma sopa por demais indigesta.
Respeito muito a opinião de todos, mas tenho muitas ressalvas a 'best sellers', principalmente quando o artista em questão chega a esta condição alavancado pelo trabalho da mídia. Sinto um franco constrangimento quando vejo um escritor não mais que mediano ter vendas maiores que um João Ubaldo Ribeiro, por exemplo. Mas pior mesmo é constatar que foi alçado à condição de gênio um mero plagiador, useiro e vezeiro na arte de apropriar-se das obras alheias.
A favor deste senhor, apenas a constatação de que ele tem um gosto refinado, pois o seu poema "Mude" é realmente uma bela peça de nossa poética contemporânea.

Luna Di Primo disse...

Há muito tempo vi escrito em algum lugar que os livros dele são plágios de um autor, não me lembro qual e de qual nacionalidade... copiar é fácil...muda uma palavrinha aqui outra ali... conheci outra mau caráter que plagia autores do site que participa, fez tanto, que tiveram que mudar certos parâmetros, para que ficasse registrado a data das postagens, pois, esta retirava textos originais e colocava os plágios, de forma que os seus ficavam com registro anterior ao original do criador... questão de caráter... adorei sua página,aqui só se encontra textos de primeira qualidade... parabéns pela bela escrita... bjuu

Luana disse...

Você tem toda a razão de reclamar desses abusos! A propriedade intelectual não tem sido respeitada no Brasil (não sei como é em outros países).
De qualquer forma, lhe parabenizo pelo blog, é lindo. E seus textos são deliciosos. =)
Luana

Luis Carpinteiro disse...

temos de levar esse plagiador comedor de crianças retardadas à justiça!! hahaha entretanto leiam os originais de Luís Alves Carpinteiro, descendente de Pessoa, em http://lugardomorto.blogspot.com/ e gostem no facebook http://www.facebook.com/pages/LUGAR-Do-MORTO/426923700730366?fref=ts

Nádia Santos disse...

Compartilhei sua postagem em minhas redes sociais, não importa se é famoso ou não plágio é muito feio, coisa de mente sem criatividade, que prefere aparecer usando o que não lhe pertence. Porque será que ele fez isso? Ele não precisa usar desses artifícios, afinal já está com o nome feito (e mesmo que não tivesse não justificaria). Um abraço Edson.

Ygo Maia disse...

Você está coberto de razão em correr atrás dos seus direitos.
Abraço, Edson.
Boa sorte!

Que a justiça seja feita.

Elton Sipião O Anjo das Letras! disse...

Caro Marques, faço de tua indignação a minha indignação. Também já fui vitima de roubo intelectual na Web, pois sou escritor como tu e Paulo Coelho o são. Tive sucesso na maioria das vezes que reclamei do plágio sofrido, quem cometeu tal erro comigo alegou que tinha achado meu texto sem autoria na Web. Perdoei porque tais indivíduos consertaram seu erro me dando o devido crédito autoral. No meu blog literário também publico poucas obras de outros autores, a maioria dos textos são de minha lavra ali editados. E faço questão não só de dar crédito autoral a estes outros autores como também de deixar um link que conduza o visitante deste meu mesmo blog à postagem original da obra ali republicada por mim. Isso é questão de honra e honestidade para mim. Oque não desejo que façam comigo eu não farei com ninguém. Até porque dói muito ter uma obra intelectual que tu sabes que és tua ser roubada deste jeito. Caro amigo, se tens como provar que tal texto é teu, tendo o registro dele na Secretária de direitos autorais da Biblioteca Nacional e se o já avisastes não obtendo uma conduta digna da parte do plagiador, não caberia então um processo judicial contra ele? Acho que com o registro da obra em mãos tu obrigarás ao Paulo a consertar publicamente o seu erro cometido. Te aconselho, acione-o judicialmente. Abraços poéticos em ti e boa sorte neste teu embate. E que o direito autoral do artista literário sempre seja respeitado. Que a Antiga Mãe e o Antigo Pai estejam contigo.

Jorge Ramiro disse...

Eu fui uma vez para comer em um restaurante italiano e viu ao Paulo Coelho. Ele estava almoçando lá com sua família.