29.5.17

menina vestida de chita

Às vezes, não me basta uma deusa perfumada com Fleurs de Rocaille, vestido de seda, anéis de brilhante, pulseiras de ouro, pós-graduada na USP, discutindo Heidegger. Às vezes, eu quero mesmo é essa menina descalça, queimadinha de sol, vestida de chita, deitada e sorrindo no meu colo, tomando água de coco num canudinho cor de laranja, delicadamente, e olhando crepúsculos à beira do mar. Uma menina que me compreenda as loucuras, que adore esse meu inocente amor desgovernado — e que me ame por uns tempos. Mas que não me ame muito, nem me ame demais...

E que depois desapareça, deliciosa, com a mesma graça e alegria, com a mesma gostosura inesquecível com que um dia surgiu.

2 comentários:

Edson Marques disse...


Esses crepúsculos são adoráveis.

Faltou dizer que ela me contou que "detesta matemática"...

http://mude.blogspot.com.br/2017/05/menina-vestida-de-chita.html

Anônimo disse...

Seu nojento pedofilo