1.1.13

minhas ideias

O livro mais caro do mundo chama-se O Livro das Minhas Ideias. Está sendo escrito desde 1970. Demorei 40 anos para escrevê-lo. Comecei aos 12, assim que li a Alegoria da Caverna, de Platão. Foi quando tive a minha primeira grande ideia formal anotada, num caderninho de capa azul. Nunca mais parei. Nunca mais parei de ter ideias. Grandes ideias. E anotá-las, mesmo que fosse em papel de pão no armazém do meu pai. Nunca mais parei. Hoje, são 400 páginas em edição primorosa, refinadíssima, em papel couché de alta gramatura, impressão colorida. Impecável. Quatrocentos mil dólares. Este é o preço inicial de venda. Publicado pela Única Editora do Brasil SA. Só para ter acesso exclusivo ao Sumário e ao Prefácio, impressos em 33 páginas, tamanho A4, capa dura, o preço é de R$ 1.000,00.
O lançamento será provavelmente na Fundação Getúlio Vargas, em dezembro de 2015.
Ressalto que este livro não foi escrito para ser vendido assim, como outro qualquer. Na verdade, é um Catálogo — repleto de ideias para empreendimentos, com seus respectivos Planos de Negócios. Muitos já testados com sucesso. Restaurantes, Informática, Construção Civil, Serviços Terceirizados, etc. Neste mês de janeiro, um grupo de empresários está investindo numa das minhas ideias (a de número 296) para implantação imediata em São Paulo. Os detalhes técnicos serão dados em www.EdsonMarques.com . Como se pode notar, nas horas vagas eu trabalho...


A Alegoria da Caverna é um texto contido na "República", livro VII, onde se narra o diálogo de Sócrates com Glauco e Adimato. É um dos textos mais lidos da Filosofia. Nele, Platão utilizou linguagem metafórica para ilustrar o quanto estamos presos a preconceitos. Basicamente, é o relato da vida de homens que nascem e vivem dentro de uma caverna e ficam voltados para o fundo dela. Ali contemplam apenas uma réstia de luz que reflete sombras no fundo da parede. E esse é o seu mundo. Porém, certa dia, um dos habitantes resolve voltar-se para o lado de fora da caverna. Assim que olha, quase fica cego devido à intensidade da luz. Mas, aos poucos, vai vislumbrando um "outro mundo", completamente diferente daquele visto no fundo da caverna. Então, volta-se para dentro para narrar esse maravilhoso fato aos seus amigos, mas estes não acreditam nele e, revoltados com a "mentira", o matam.

Com essa alegoria, Platão pretende dividir o mundo em duas realidades distintas: a sensível, que se percebe pelos sentidos, e a inteligível (o mundo das ideias). A primeira realidade é imperfeita, falsa, enquanto a segunda mostra toda a verdade possível ao homem. Portanto, o ser humano deveria procurar o mundo da verdade para atingir o bem maior para sua vida. Entretanto, a grande maioria dos seres humanos ainda hoje continua olhando para o fundo da caverna, e julgando loucos todos aqueles que olham para fora.

2 comentários:

Edson Marques disse...

Só para ter acesso ao Sumário e ao Prefácio, impressos em 33 páginas, tamanho A4, capa dura, o preço é de R$ 1.000,00. Autografado. E a entrega será feita por Daniela Magalhães, pessoalmente.

A ideia 296 estará sendo posta em prática neste mês de janeiro por três empresários (Marco AIS, Andreas ML e Roman PC ) que estão se unindo para comprar uma quota dela, visando aplicação apenas em São Paulo, e mesmo assim sem exclusividade. Depois eu conto detalhes, tais como nome da empresa, CNPJ, etc.

http://mude.blogspot.com.br/2013/01/minhas-ideias.html

É a vida.

Edson Marques disse...

Espero que me compreendam os leitores do blog Mude por esta ação de marketing logo no primeiro dia do ano. Afinal, sou uma totalidade dialética indespedaçável: sou poeta, empresário, filósofo, consultor, analista e curandeiro — tudo ao mesmo tempo.

Jamais me negarei.