2.5.12

pintinho e raposa

Certa vez eu escrevi um conto infantil cujo título era O Galinho Co-co-ri-cor e a Raposa Furta-Cor. Era a história de um pintinho gago, colorido e caipira, e uma raposa, boazinha, que só lhe furtava as cores — mas não suas penas, nem suas dores. Apesar das diferenças, os dois se amavam muito, deliciosamente. O pintinho sonhava em ser galo, e a raposa, franguinha. Não foi publicado ainda, e não sei onde está. Mas é uma criativa e delicada parábola dos amores improváveis e dos planos impossíveis.

3 comentários:

Edson Marques disse...

Foi escrito à mão, num dos meus cadernos azuis. Por volta de 2004.

http://mude.blogspot.com.br/2012/05/pintinho-e-raposa.html

Se não o encontrar, vou escrevê-lo de novo. Enquanto isso, tomo café, ouvindo aus e passarinhos, ao lado de dois lírios cabisbaixos. E vendo a chuvinha refinada...


Também estou pensando em escrever hoje algo assim:

Agora, que já resolvi a questão da felicidade, verei o que mais é preciso fazer.
Acho que nada.

Talvez ler um pouco mais sobre os filósofos cínicos.

Anônimo disse...

Fale mais sobre o seu livro de lógica para crianças.
Queremos ler!!!

VIDA E LIBERDADE disse...

ahhh ...poeta, acho que esta histórinha, que parece infantil, não é não hein?Ela deve ser triste....porque você disse que fala sobre amores improváveis e dos planos impossíveis...!!! Hummmm, acho que quando eu ler vou ficar triste....

beijos...
se for triste, mude o final dessa gistória e afaça desses personagens , criaturas felizes, então. não é uma boa sugestão?
Vamos viver de sonhos, mas acreditando que estes se realizarão!!!

Lisa